A sua empresa já investe na nuvem? Essa tecnologia torna as empresas mais flexíveis, mantém sistemas com alta escalabilidade e reduz custos. Por isso, ganhou um papel de destaque nas estratégias de várias companhias em busca de um ambiente de trabalho capaz de criar competitividade para todos com mais mobilidade no seu dia a dia.

Mas para que esse investimento seja feito com segurança, o gestor deve estar atento aos tipos de implantação em nuvem existentes. Dessa forma, ele pode fazer uma escolha segura e com bom custo-benefício. Se você quer saber quais são as disponíveis no mercado, veja o post abaixo!

Quais as principais característica da nuvem pública?

Das implementações em nuvem, a pública é uma das mais populares. Nesse modelo, a empresa distribui recursos computacionais entre vários clientes. Isso permite uma redução do custo de assinaturas, além de descentralizar os processos de gestão.

A nuvem pública é conhecida por permitir o acesso a recursos complexos com baixo investimento e gestão mais simples. Porém, para fazer essa escolha, a empresa deve abrir mão de certas funcionalidades, como um nível elevado de controle sobre a maneira como cada detalhe da nuvem é estruturado.

Como a nuvem privada é estruturada?

A nuvem privada é o modelo de cloud computing voltado para negócios que precisam de um alto controle sobre os seus recursos. Nesse caso, apenas a companhia que mantém os recursos faz uso dos mesmos. Assim, o time de TI pode definir todas as normas de controle, sistemas e dispositivos utilizados para manter a nuvem funcional.

Aplicações da cloud privada geralmente estão direcionadas para empresas que precisam de um ambiente de nuvem com alto nível de controle, tanto por opções estratégicas quanto por opções regulatórias. Mas para investir nesse modelo, a empresa deve estar consciente dos gastos maiores, uma vez que nenhum custo é rateado com outros usuários, como ocorre na nuvem pública.

Quais as funcionalidades da nuvem híbrida?

A nuvem híbrida é um tipo de implantação em nuvem que permite ao negócio combinar, em uma mesma infraestrutura, características da nuvem pública e da privada. Dessa forma, é possível atingir o máximo de flexibilidade na gestão de recursos, reduzir riscos e ter mais capacidade de atingir demandas estratégicas.

Na nuvem híbrida, parte dos recursos podem ser alocados no ambiente privado e parte nos ambientes públicos. A qualquer momento a companhia tem a capacidade de migrar informações entre as duas áreas. Assim, os seus serviços sempre serão executados no ambiente correto.

O que considerar entre os tipos de implantação em nuvem para o seu negócio?

Há uma série de fatores a considerar quando a empresa precisa identificar quais os tipos de implantação em nuvem mais adequados ao seu perfil. Avaliando cada um dos pontos críticos, o negócio consegue eliminar riscos, criar uma infraestrutura de serviços de TI mais inteligente e ter melhores resultados a médio e longo prazo.

A empresa deve avaliar, por exemplo, o seu perfil e as demandas de cada área. Além disso, há de se identificar as normas internas, quantidade de recursos disponível para os investimentos e as normas regulatórias do setor. Dessa forma, é possível identificar se a melhor opção é a que apresenta um baixo custo ou a que fornece maior controle sobre as funcionalidades.

Para direcionar a escolha entre os diferentes tipos de implantação em nuvem, a companhia pode contar com o apoio de um parceiro especializado. Ele auxiliará o negócio a definir qual, entre os diferentes tipos de implantação em nuvem, é o mais alinhado com as necessidades da empresa e a traçar um projeto de migração para um ambiente de cloud computing bem estruturado, com baixo índice de riscos e alta agilidade.

Assim, a empresa pode atingir um alto retorno com essa tecnologia e desfrutar de todos os seus benefícios.

E aí, gostou do nosso post e quer receber mais dicas como essas? Então assine já a nossa newsletter!